terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

Macau em Sagres – o Infante D. Henrique haveria de ficar orgulhoso desta Portugalidade além-mar (chapéu e gabardina Labrador)

Macau em Sagres – o Infante D. Henrique haveria de gostar desta Portugalidade além-mar (chapéu e gabardina Labrador)

"Ao longo da História o Homem sempre se sentiu fascinado pelo desejo de encontrar lugares desconhecidos e misteriosos. Há cinco séculos atrás, a "Terra do Labrador" - a velha "Terra Laboratoris" no Atlânitco Norte - tournou-se um símbolo desta procura de mistério e aventura. Hoje em dia, o nome "Labrador" continua a simbolizar essa mesma paixão intemporal pela descoberta, que jamais se apagará.

31 comentários:

Anónimo disse...

Que foto! O pormenor da gabardine aberta, a gaivota! E que grande pinta tem este português! Um abraço, JVC!

Isabel I disse...

Labrador é uma marca de roupa? Para mim é o meu lindo cão Popov, um Labrador preto de veludo, doce e brincalhão. Quanto à foto está muito bonita, Sagres é um sitio único a que regresso todos os verões, quase em peregrinação.

Gonga disse...

Eu adoro a Labrador, nunca tive dinheiro para comprar os fatos mas já comprei algumas camisas :) de qualquer das formas o labrador é também para mim um dos cães mais giros,Isabel, a seguir ao Cocker Spaniel (Popov eheheh)! Esta foto está magistral, faz-me lembrar as minhas Páscoas em Sagres e a praia da Mareta. beijinhos e abraços, El Gonga

Mostrengo disse...

"PORTUGAL NÃO É UMA NAÇÃO PEQUENA"
O Mundo todo abarca e nada aperta, segundo Luíz Vaz de Camões

António Pista disse...

Newsletter Semanal #5

Blog Águia de Ouro

Antes de mais, o Águia de Ouro, deseja a todos um Feliz Ano de 2010!
Está para votação o onze da década do Sport Lisboa e Benfica, os melhores jogadores que passaram entre 2000 e 2009 pelo Benfica estão para votação numa táctica de 4-4-2. Vote no onze que pensa que marcou a década do Sport Lisboa e Benfica.

Posts Anteriores:

- O Onze da década
- A Liga Sagres após 14 jornadas...
- Tudo vermelho após o Natal
- Feliz Natal
- Raça de Campeão

http://aguia-de-ouro.blogspot.com

Anónimo disse...

Este Nobre Português de origem Macaense, já nos longínquos tempos áureos da Kapital (à mais de 13 anos) era abordado por homens heterossexuais que lhe vinham dar os parabéns pela forma irrepreensível com que se vestia!!!!

O INFANTE disse...

Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,

E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.

Quem te sagrou criou-te portuguez..
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!

OS LUSÍADAS disse...

"Olhai que ledos vão, por várias vias,
Quais rompentes liões e bravos touros,
Dando os corpos a fomes e vigias,
A ferro, a fogo, a setas e pelouros,
A quentes regiões, a plagas frias,
A golpes de Idolátras e de Mouros,
A perigos incógnitos do mundo,
A naufrágios, a pexes, ao profundo.


Por vos servir, a tudo aparelhados;
De vós tão longe, sempre obedientes;
A quaisquer vossos ásperos mandados,
Sem dar reposta, prontos e contentes.
Só com saber que são de vós olhados,
Demónios infernais, negros e ardentes,
Cometerão convosco, e não duvido
Que vencedor vos façam, não vencido."

Isabel I disse...

Que bonitos estes comentários poéticos, que linda é a lingua portuguesa, vivam os nossos poetas, viva a poesia!Pessoa e Camões sempre a propósito, sempre na moda,sempre... fashion!

José Ferreira disse...

Nota para o relógio no pulso esquerdo. Características únicas no blogue. os textos são bons mas grade parte das fotografias falam por si. Sou consideravelmente fã de alguns estilos mais conservadores (tal como este) mas reconheço que outros me fascinam. Mas o relógio, ele que tão bem que fica no conjunto, e o "à vontade" que espelha dá-me vontade de arriscar, que este senhor veste assim regularmente.. Nota alta para esta fotografia

Anónimo disse...

Nice photo showing the Portuguese tradition as Men of the World, with presence worldwide. This really reminds me as a Brit one of the epic moments of Her Majesty's Empire - The beating retreat from Hong Kong:

http://www.youtube.com/watch?v=os4p8MfAqQY&feature=related

aviador disse...

O que é que a Labrador irá oferecer ao alfaiate?

D. Sebastião disse...

Grande enquadramento! Um Macaense em pleno Cabo de Sagres. Local onde presumivelmente os nossos antepassados aprendiam a arte de navegar, que nos levaria a chegar a mares nunca antes navegados, como os do Extremo Oriente.
Gosto do pormenor da gaivota, do mar batido, do vento típico da zona, para além da forma impecável como este senhor se apresenta...
Excelente foto, com grande carga simbólica.

Anónimo disse...

Acredita-se que a região do Labrador tenha sido assim nomeada em homenagem ao explorador português João Fernandes Lavrador, que, juntamente com Pedro de Barcelos, avistou a região em 1499.

Mia disse...

Em Macau era conhecido como " o macaense mais português".
E sim, sempre se vestiu impecavelmente :)
Gostei de o ver aqui! Merece!

Zé Gato disse...

O local, a perspectiva e a gaivota contam (e muito) mas este senhor tem a pinta e atitude. E pelo que li aqui sempre teve.

V. disse...

Cara Mia,

Esteve em que anos em Macau?

Cordialmente,
V.

Lovely Rita disse...

Independentemente do resto do estilo e da qualidade da foto - indiscutíveis - apetece-me falar do chapéu. Porque são tão poucos os homens que conseguem usar chapéu sem se perderem no meio. E por perder no meio eu quero dizer "parecer que estão a vender gelados sobre um sol abrasador". E este senhor consegue. Parabéns a ele e a ti por divulgares uma dessas pessoas ao mundo. Acredito que se fôssemos governados por pessoas que ficam bem de chapéu, o país desenvolvia-se até ao nível da noruega em menos de um mês. E a MFL já tinha uma desculpa para se ir embora "desculpem meus senhores, mas fico mal de capeline".

O QUINTO IMPÉRIO disse...

Triste de quem vive em casa,
Contente com o seu lar,
Sem que um sonho, no erguer de asa
Faça até mais rubra a brasa
Da lareira a abandonar!

Triste de quem é feliz!
Vive porque a vida dura.
Nada na alma lhe diz
Mais que a lição da raiz
Ter por vida a sepultura.

Eras sobre eras se somem
No tempo que em eras vem.
Ser descontente é ser homem.
Que as forças cegas se domem
Pela visão que a alma tem!

E assim, passados os quatro
Tempos do ser que sonhou,
A terra será teatro
Do dia claro, que no atro
Da erma noite começou.

Grécia, Roma, Cristandade,
Europa-- os quatro se vão
Para onde vai toda idade.
Quem vem viver a verdade
Que morreu D. Sebastião?

M disse...

boa foto!
grande kit ;)

Herodes Magno disse...

Essa fotografia parece que foi feita em Photoshop!Está perfeita demais!!

Anónimo disse...

Nesta onda poética e épica, parece-me que a fotografia tão perfeitamente tirada e extraordinariamente enquadrada pelo nosso Alfaiate, mais do que sinal, faz repensar em prenúncio, no prenúncio do regresso ao novo ciclo histórico, onde é renovada a antiga vontade do Homem do Leme, há quinhentos anos idos... Sinto que o seguinte poema poderá talvez retransmitir todo o espírito saudoso do Futuro, tão bem registado por este Alfaiate que vê e mede para além da materialidade mundana e que rasga horizontes...muitos parabéns!

O mostrengo que está no fim do mar
Na noite de breu ergueu-se a voar;
À roda da nau voou trez vezes,
Voou trez vezes a chiar,
E disse: «Quem é que ousou entrar
Nas minhas cavernas que não desvendo,
Meus tectos negros do fim do mundo?»
E o homem do leme disse, tremendo:
«El-rei D. João Segundo!»

«De quem são as velas onde me roço?
De quem as quilhas que vejo e ouço?»
Disse o mostrengo, e rodou trez vezes,
Trez vezes rodou immundo e grosso.
«Quem vem poder o que só eu posso,
Que moro onde nunca ninguém me visse
E escorro os medos do mar sem fundo?»
E o homem do leme tremeu, e disse:
«El-rei D. João Segundo!»

Trez vezes do leme as mãos ergueu,
Trez vezes ao leme as reprendeu,
E disse no fim de tremer trez vezes:
«Aqui ao leme sou mais do que eu:
Sou um povo que quere o mar que é teu;
E mais que o mostrengo, que me a alma teme
E roda nas trevas do fim do mundo,
Manda a vontade, que me ata ao leme,
D' El-rei D. João Segundo!»


α Ω

Mia disse...

Caro V.,
Sim, conhecemo-nos! ;)

Anónimo disse...

Cara Mia,

Ainda nos encontramos na jantarada tradicional do Ano Novo Chinês, organizada pelos Abecassis aqui em Lx...
Não perca a Bolsa de Turismo de Lisboa 13 - 17 Janeiro, com um stand de Macau.

V.

S disse...

Olá V.! Que surpresa, não te encontro só na pastelaria da Av. de Roma :)
Beijinho

Mia disse...

Caro V.,
Lá nos encontraremos!
Na jantarada, não no Bolsa de Turismo. :)

Anónimo disse...

Cara Mia,

Afinal o Ano Novo chinês calha este ano nos dias 14, 15 e 16 de Fevereiro - Ano do Tigre...
Por sinal, para além dos nativos do signo Tigre, os "Cavalos" estarão em grande (ao contrário do ano que está a terminar - ano do Búfalo ou Boi, animal da lama, da lavoura e bastante trabalhador mas que incompatível com o Cavalo).

V.

Anónimo disse...

Cara S.,

Qual das pastelarias? "Roma" vai do "Brasil a Londres" e ainda atravessa a "EUA". Na brincadeira, para completar a paisagem na Av. de Roma só faltam umas estátuas em homenagem aos Reis de Itália V.E. II e V.E. III (sendo este último ainda Rei da Albânia e Imperador da Etiópia), e não sei se não haverá um V.E. IV tb digno de estátua...

V.

Anónimo disse...

Viva, alguém me pode dizer qual é a marca do relógio? tem um nível... Cumprimentos, João Landeiro

Mariana disse...

boas, acho que vendo a ampliacao da foto parece-me, nao tendo bem a certeza, um tag heuer - mónaco.
o meu irmão tem um parecido.

Pedro Oliveira disse...

Dois anos depois do último comentário, confirmo. Trata-se de um Tag Heuer Monaco, vulgo Steve Mcqueen, porque utilizou o modelo original no filme Le Mans de 70, como muitos saberão.
Pessoalmente creio que é uma declaração de intenções utilizá-lo, embora reconheça que só descansei enquanto comprei um igual.