segunda-feira, 3 de Novembro de 2014

J. LISBON

J. LISBON

A verdade é que nem sei por onde começar. Acho que posso começar por dizer que não encontrei o João nesta vereda. Ou que ele não levava esta roupa vestida. Que fui eu quem lhe pediu que aparecesse antes que o sol se fosse, e que também fui eu quem lhe levou este casaco, estas calças e este par de botas. Numa altura em que tanta gente se questiona sobre a permeabilidade das publicações editoriais às dinâmicas comerciais, achei que era interessante esboçar a narrativa contrária. Meti na cabeça que haveria de criar um espaço comercial onde quem quer que lá passasse se arriscaria a encontrar conteúdos genuínos e informativos. Meti na cabeça que haveria de gerir uma loja sem esquecer a forma como geri este blogue.

Andei por sítios tão distintos quanto Madrid, Londres, Florença, Felgueiras, Vila Nova de Famalicão ou Charneca do Lumiar. Encontrei imagens deste blogue nos mood boards de marcas estrangeiras (onde as reuniões nem correram mal) mas também apanhei baldas e palmadinhas nas costas (depois de reuniões que não correram tão bem). E hoje, no preciso dia em que sacrifico a pureza editorial deste blogue, em prol do negócio cuja criação não seria possível sem o blogue que hoje se sacrifica por ele, apresento-vos o negócio que não poderia existir sem este blogue. Porque afinal, são frases idiotas como esta que poderão continuar a encontrar no tal negócio. Porque afinal, à semelhança daqui, encontrarão por lá ruas de Lisboa, modelos que não são modelos, produções caseiras e imagens por editar. E, de uma forma geral, a identidade visual que ficou imortalizada por esse universo de retratos aos quais se convencionou chamar street style. O registo visual que, à boleia de toda uma dinâmica online, transformou homens comuns em ícones de estilo e fez de retratos da vida quotidiana inspirações à escala global.

É apenas isto. Uma loja de roupa. Uma loja de roupa de homem. Uma loja de roupa que, à boleia destes 5 anos de Alfaiate, se deu conta que é possível oferecer uma real experiência de produto através da internet. Que é possível esboçar um processo online de descoberta do produto que não termine com a imagem de um tipo de medidas estandardizadas e cabeça cortada, fotografado contra uma parede em tom pastel. Que é possível descobrir um produto pelos mesmos padrões e contextos visuais em que haveremos de conviver com ele. Que é possível ler um review escrito por alguém que, muito antes de se sentar a debitar informação sobre um produto, o tenha calçado ou vestido. E que é possível assegurar o controle de tudo isto desde que me cinja à realidade masculina. Tanto assim é que, antes de assegurar a sua venda, comprei o casaco que o João leva vestido ao designer que o concebeu. Tanto assim é que, antes de sonhar escrever este blogue, já usava aquelas calças. É por isso que digo que olho para este negócio como se fosse o Alfaiate. O blogue que inspirou um negócio. Um negócio que se chama J. LISBON. Um negócio que espero que seja do vosso agrado. Porque, por mais que esteja convencido do seu interesse (e este blogue ajudou-me a perceber que a aprovação mais importante somos nós mesmos que a atribuímos) não há lengalenga que pague umas boas palmadas nas costas. Fica aqui o J. LISBON em primeira mão

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

segunda-feira, 23 de Junho de 2014

quarta-feira, 18 de Junho de 2014

Disse-lhes:

_W2C1486

- Não estou aqui para fotografar mas vou fazer esta foto

segunda-feira, 19 de Maio de 2014

segunda-feira, 28 de Abril de 2014

segunda-feira, 7 de Abril de 2014

segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2014

segunda-feira, 27 de Janeiro de 2014

segunda-feira, 13 de Janeiro de 2014

Pitti Uomo (Michael, day-by-day)

Michael day 1
Michael day 2
Michael day 3
Michael day 4

Fui pela 1ª vez à Pitti Uomo. Uma marca pediu-me que fizesse imagens de toda aquela ambiência. A feira é brutal, há marcas interessantíssimas e visitantes também. Mas confesso que me senti esmagado por tantas câmaras, lentes e fotografias. De tal forma que tudo o que menos me apetecia fazer ali era fotografar alguém. Como se tudo aquilo estivesse, algures, nos precisos antípodas de momentos como este ou aquele. Como se tudo aquilo desconhecesse que é possível, de verdade, encontrar gente inspiradora no mais inusitado dos espaços. Num qualquer local do mundo onde quem quer que abordemos estranhe verdadeiramente o nosso pedido. Chegue até a desconfiar dele. Mas que depois de 30 segundos de conversa e um sorriso genuíno acabe a deixar-se fotografar por um estranho. Quando vi o Michael junto aquelas escadas achei que era das poucas imagens que poderiam ter sido tiradas fora daquela confusão, de todo aquele bulício, de toda aquela feira de vaidades com pêlos na cara. E quando, no dia seguinte, o vi ali outra vez, percebi que havia ainda outros dois momentos a registar e disse-lhe:
      Acredito que seja difícil de acreditar mas... as tuas fotografias são as únicas que quero para mim.
Apenas ele, em cada um dos dias que a feira existiu. Sem pompa, circunstância nem a mais leve edição. Sem esperar sequer que desocupassem a escada. Apenas ele, nas escadarias que o conduziam ao stand da marca da qual faz parte

quinta-feira, 2 de Janeiro de 2014

5 anos


Todos os anos neste dia, ao acordar, puxo o portátil para o meu colo e venho aqui dizer-vos porque é que esta página é tão importante para mim. Não vos consigo explicar porque raio o adágio que decreta que não devemos deixar para amanhã aquilo que pode ser iniciado hoje mesmo não se aplica aqui e porque seria desprovido de sentido para mim ter começado a preparar este texto ontem, antes da data exacta, para assim me assegurar que hoje de manhã me limitaria a tentar eliminar todos os pequenos obstáculos ao seu melhor fluxo que escapam sempre numa primeira abordagem ao quer que se escreva. Não vos consigo explicar porque é que sabia perfeitamente que não precisaria de qualquer alarme para estar seguro que hoje, por volta das 7h, haveria de acordar, dar uma vista de olhos nas redes sociais e nas notícias do dia, responder a dois ou três e-mails, pagar as contas e, a dada altura, depois de terminar essa meia dúzia de tarefas corriqueiras, me dedicaria ao acto sagrado de vir aqui escrever este texto que, dou-me agora conta, também ele exprime uma acção e um propósito rotineiro, ainda que pautados por 365 dias de intervalo. Não vos consigo explicar porque é que hoje, voltarei a passar aqui meia dúzia de vezes e, em todas elas, voltarei a ler este texto e em todas elas procederei a pequenas alterações ínfimas das quais nenhum de vós se dará conta nem lhes reconheceria sentido. Como talvez não vos conseguirei explicar porque é que, à semelhança de mais uma ou duas outra datas na minha vida (mas mais ainda que todas elas juntas), à efeméride pessoal do 2º de Janeiro se me aplica tão bem aquele verso do Sérgio Godinho que ele próprio define como “frase batida”. Mas consigo perceber, melhor que nunca, o quão abençoado foi a decisão de criar um blogue. De criar este blogue. Hoje, dou-me conta da importância desta figura e daquilo que ela representa. Ela representa um espaço livre, gratuito e ilimitado onde, qualquer pessoa com acesso on-line, pode estar em contacto com o mundo. E parece-me que a maior parte daqueles que a ela recorre não se deu conta do valor que esta ferramenta tem, da transformação profunda que ela inscreve no mundo e no capital democrático que ela representa (há afinal, uma diferença enorme entre viver num país livre e, vivendo num pais livre, ter à disposição canais onde, efectivamente, se possa partilhar e veicular aquilo que mais nos inspira ou preocupa). A relação entre sujeito comum e mundo mudou radicalmente e hoje, nenhum de nós está destinado a ser um mero espectador ou consumidor de conteúdos. O sujeito está no centro de toda esta dialéctica e deixou de ser apenas o destinatário  dos conteúdos mas também o seu autor, editor e publicação. E o valor de mercado do seu conteúdo é encontrado no preciso ponto que melhor definir o valor que conseguir acrescentar aos outros. Pela minha parte, fica aqui a garantia que jamais condicionarei o que quer que seja nesta página para que esse ponto fique algures acima de onde se encontra agora. Mas importa lembrar que, não fosse esse vosso reconhecimento, e a localização – não importa exactamente onde – desse tal ponto que define o meu valor (ou a falta dele) e eu jamais poderia viver de ideias ou projectos que, directa ou indirectamente, nasceram com este blogue. É por isso justo dizer que, se a minha vida mudou radicalmente porque há 5 anos iniciei este blogue, ela mudou na precisa medida daquilo que cada um de vós tornou possível. Por isso, se venho aqui menos vezes, se vos parece às vezes que esqueci esta página, essa aparência deve-se apenas ao pequeno detalhe que jamais virei aqui por outro motivo que não a minha vontade. Mas sempre que o fizer, será com a tesão e o vigor de sempre. Com a certeza eterna de que não estarei nunca focado em vos agradar (mas eternamente grato pelo vosso agrado)

segunda-feira, 16 de Dezembro de 2013

André pai, André filho

André pai, André filho

[pai e filho podem ser vistos aqui também]

segunda-feira, 11 de Novembro de 2013

Sem (muitas) palavras

Speechless

[esta publicação pode ser vista aqui e aqui]

segunda-feira, 4 de Novembro de 2013

Em cada dez amigos meus

Antonio

nove querem ficar como o Antonio. Eu sou um deles

quinta-feira, 31 de Outubro de 2013

Gosto tanto disto

I like this picture so much

Dela, da luz, dos pés descalços, do casaco e da feira onde me disse que o havia comprado


[esta publicação pode ser vista aqui também]

segunda-feira, 28 de Outubro de 2013

Cristina

Cristina

Como em qualquer projecto há sempre pelo menos duas formas (ou ideais tipo) de levar as coisas. Por gosto ou até à exaustão. E mesmo que houvesse optado pela segunda seria difícil que, em nenhuma situação, tivesse experimentado aquela sensação frustrante de pensar “gostava tanto de fazer esta foto”. Decidi-me pela primeira das opções o que, se por um lado promove a paixão pelo ofício como o motor de todo o projecto por outro... abre espaço ao custo de oportunidade. O irritante custo de pensar em todas as oportunidades que perdi de fotografar pessoas que gostaria que aqui estivessem. Pessoas que não fotografei porque deliberei que o projecto me devia servir a mim e não o seu preciso contrario e, naqueles dias como em tantos outros, havia sentenciado que a minha felicidade não passava por sair de casa com a máquina na mão. Claro que a equação para a minha felicidade pessoal mudou radicalmente no momento em que vi a Cristina. Por sorte, tinha acabado de passar por um casal de namorados a quem tinha expresso a minha surpresa pelo equipamento que utilizavam para fotografar e, com a lata do costume, voltei a eles e perguntei:
Importam-se que experimente a vossa lente com a Cristina?

[esta publicação pode ser vista aqui também]

segunda-feira, 21 de Outubro de 2013

Provavelmente

A camisa oriental

A camisa de homem mais bonita que já fotografei

quinta-feira, 17 de Outubro de 2013

Momento de uma noite de Verão

Maria

[esta publicação pode ser vista aqui também]

segunda-feira, 7 de Outubro de 2013

Crepúsculo em Braga

Braga

[esta publicação pode ser vista aqui também]

terça-feira, 1 de Outubro de 2013

O velho e o lago

O velho e o lago

Quem me conhece bem sabe que não me limitei a tirar esta fotografia. Sabe que subi àquela rocha. Que arranjei alguém que me fotografasse no seu lugar. Que me fotografasse a mim e ao Ilija juntos, em amena cavaqueira, a tentar a sorte com os peixes que por ali havia, voltados para o lado albanês do lago. Na verdade não acho que o Ilija seja velho. Até porque a velhice, pelo menos até certa idade - qual instinto de sobrevivência - está sempre duas gerações à nossa frente, longe o suficiente para que nos possamos sentar descansados sem preocupações de maior. Porque não somos velhos nem novos, somos apenas o centro do nosso mundo e é com ele por referência que o que quer que viva ou ocorra neste planeta é alto, baixo, gordo, magro, feliz, triste, inteligente ou burro, clarividente, obtuso, estupidamente interessante ou anormalmente aborrecido. E o Ilija, apesar de técnica e cientificamente possível, dificilmente seria meu avô. E, podendo ele ser meu pai, dificilmente me referiria a ele como velho. Até porque os velhos, por definição, estão mais perto da morte e ninguém, tenha 20 ou 60 anos, se sente confortável a pensar na morte dos pais. E tenho, de facto, uma foto sozinho naquela rocha. E umas quantas com o Ilija. Por sorte tinha a Amanda perto, uma de quatro australianas com quem passei quatro dias e quatro noites porque nos conhecemos numa estação de serviço onde o táxi delas e o meu autocarro haviam cruzado itinerários. E a Amanda é uma fotógrafa do  %#&#ª§£. Na verdade, uma fotógrafa de moda do %#&#ª§£. O tipo de pessoa que nos garante uma dúzia de belos retratos para a posterioridade. E realmente, as fotografias, são a melhor memória para as vivências. E aquilo que eu guardo deste lago são quatro australianas, com quem depois de ter trocado e-mails num apeadeiro macedónio, me encontrei mais tarde para jantar e por quem me apaixonei. Parece um bocado estranho mas foi isso que aconteceu. Apaixonei-me por aquelas gajas. E com elas permaneci como se, naqueles quatro dias, houvesse ali uma espécie de irmandade. E uma delas, às vezes, me confidenciava algo sobre a outra, a mesma outra que umas horas depois me diz qualquer coisa sobre a “uma delas” do início da frase. E assim, principiava a sentir também que fazia parte daquele grupo. Que também eu compareceria na inauguração na casa nova da Karolina, em Melbourne. E acho que, de todas as semanas que passei a viajar este Verão, os dias que tive com estas gajas foram os mais bonitos que vivi. A sensação de encontrar alguém que simultaneamente conhecemos tão pouco e de quem aparentemente gostamos tanto é, talvez pela sua efemeridade, uma das mais bonitas que já senti. E há um momento bonito. Particularmente bonito. O da despedida. Momento que não fotografei. Nem a Amanda. Se bem que, para vos ser bem sincero, gostava de ter essa imagem gravada. Não que a minha figura de calções de banho, t-shirt pendurada à cintura, chapéu de palha e sandálias de plástico merecesse aqui pertencer. Ou a das quatro, sentadas ao pequeno-almoço, a insistirem para me juntar a elas na Grécia. Gostava de ter esse momento guardado porque sei que estava feliz. Porque deixava um momento bonito mas suspeitava já que me metia noutro. Num carro com quatro holandeses com quem fui à boleia até Belgrado e que me pouparam demasiadas horas de comboio e autocarro. Quatro holandeses que estavam boquiabertos pelos detalhes que a minha memória havia retido sobre o Euro 88 (a única competição internacional de selecções que a Holanda ganhou algum dia em futebol). Quatro holandeses que tinham um concurso devidamente organizado com 256 concorrentes, desde cantoras e actrizes conhecidas de meio mundo, uma ou outra artista porno, umas quantas celebridades holandesas e até a namorada de um deles. O concurso que elegeria ali, naquele dia e naquele carro, a “gaja mais boa do mundo”. Diz-me o Laurens: “José, não leves a mal, não podes participar nesta eleição porque não conheces as holandesas, não seria justo”. “Claro que não” respondo, contendo o riso para não beliscar o tom sério com que o meu novo amigo me comunica tão solene decisão. A minha opinião ficou registada como o 5º e último factor de desempate mas não consegui gerar lobby suficiente para evitar que a Mónica Belluci fosse eliminada nos quartos-de-final. Mas vivi tudo isto há mais de um mês. Por algum motivo achei que ainda não tinha chegado o dia de escrever o texto sem o qual dificilmente publicaria esta fotografia. Por algum motivo foi preciso meter-me num comboio em Braga de volta a Lisboa e ter sete senhoras deliciosas (seguramente mais velhas que o Ilija mas a quem sou incapaz de chamar “velhas”) a meterem-se comigo para que, quando uma delas se refere a mim como “o senhor” pensar:
%£&#-$@, mas esta velha trata-me por “senhor”? (afinal sou capaz...)
Como se ficasse ofendido, na irracionalidade mais pura, por uma suposta velha, na sua qualidade de senhora educada, me fazer sentir menos novo. E aí, pela indelicadeza do meu pensamento, me lembrei do Ilija. Porque o nome deste post estava já traçado desde o momento que o fotografei. Lembrei-me do Ilija, da Karolina, da Amanda, da Aneta, da Tash, do Bas, do Chiel, do Kosse e do Laurens. E de muitos outros também. E pensei. Esta senhora amorosa a quem acabei de chamar velha lembrou-me de uma outra indelicadeza que tenho de cometer. A de chamar velho ao Ilija. Aquele senhor simpático que conheci com as miúdas por quem me apaixonei num jantar à beira-lago. O Ilija, o senhor que estava em Kaneo, o ponto mais bonito do Lago Ohrid, naquela rocha em frente à casa onde nasceu a sua mulher. A sua mulher, aquela senhora que me havia acenado da janela. A mãe do rapaz que, há dois dias, me escreveu a pedir as fotos que eu e a Amanda havíamos feito ao seu pai

quarta-feira, 25 de Setembro de 2013

Miss Sarajevo

Miss Sarajevo


[outras partes desta mesma sequência aparecem por aqui]

quarta-feira, 11 de Setembro de 2013

Calanque de Sugiton

Katie

Quando apanhamos um comboio em Santa Apolónia de mochila às costas, boné na cabeça e os ténis (que nos pareceram) mais confortáveis não estamos, por uma meia dúzia de bons motivos, com muitas expectativas de alimentar uma página deste género. E, na verdade, o único motivo pelo qual parei em Marselha foi a hora, cujo adiantar, não me permitia chegar a tempo de ficar numa daquelas localidades que personificam o imaginário típico do  sul de França. Marselha teria sido o elo mais fraco de uma viagem cujos propósitos estavam perspectivados dois meridianos à frente. Mas Marselha é (não me ocorre nada melhor que assegurar, a pés juntos, que é genuinamente) linda. Poderão chamar-lhe suja, chunga ou simplesmente perigosa (e, ao que parece, há boa dose de estatísticas a suportar, por ordem crescente, cada uma destas acusações). Mas é linda. Percebo que carros de matrícula francesa com ocupantes que a muitos outros franceses lhes custaria apelidar de compatriotas, a acelerar por ruas estreitas, em plena madrugada, à mesma velocidade com que entro na A5 não serão, entre outras coisas, o melhor dos cartões de visitas para a actual Capital Europeia da Cultura. Mas há algo ali que ultrapassa tudo isso. E, por mais que custe a muito francês admiti-lo, parte da receita decorre precisamente da sua aura magrebina. E da sua natureza mediterrânica. Que é o mesmo que dizer que os Calanques, aquelas formações calcárias profundas e escarpadas parcialmente submergidas pelo mar, são das coisas mais bonitas que vi em toda a minha vida. Tanto me fascinaram que, quando me fui em direcção a Belgrado, tinha por seguro que ali haveria de regressar na volta. Mas claro está. Algo mais me prendeu ali. A Claire, a Anne-Sophie, uma canadiana cujo nome não recordo agora, o Andrew, a Sophia, a Natalie e a Katie a quem, a meio da tarde, já toda o grupo havia elogiado o fato de banho. E se ainda me impacta mais esta foto que a do casal de regresso ao seu veleiro (e eu gosto mesmo muito daquele casal) é curioso como para mim, esta bela imagem da Katie, é apenas uma amostra de todos outros momentos que tenho guardados (uns valentes megabytes e critérios visuais abaixo desta imagem) do dia quente nos Calanques e do jantar que o sucedeu. Porque, quando me meti num vagão em Santa Apolónia, eram esses momentos que buscava. Os tais que privilegiavam o trato familiar com aparentes desconhecidos a quem nos dirigimos como velhos amigos que propriamente méritos estéticos. A Katie foi, por assim dizer, uma espécie de surpresa. Uma bela surpresa


[a Katie pode ser vista aqui também]

quarta-feira, 4 de Setembro de 2013

Hydra

Hydra

Vi-os ao longe. Se hesitei? Claro que hesitei (imaginem a minha figura a esbracejar e gritar). Mas gritei. Bem alto. Como me ouviam mas não me conseguiam perceber lá acabaram por se acercar. E disse-lhes, sem grandes explicações, que lhes queria tirar uma fotografia. “Uma grande fotografia” assegurei-lhes categoricamente. Tempo para lhes passar o cartão com o meu e-mail e fazer meia dúzia de fotos. Perdão... grandes fotos

[cinco da tal meia dúzia de fotos podem ser vistas aqui]

segunda-feira, 19 de Agosto de 2013

quarta-feira, 31 de Julho de 2013

Esta foi por uma boa causa

Esta foi por uma boa causa

Provavelmente, mais que qualquer outra pessoa no mundo, acredito que cada uma das fotografias que aqui aparece é – pelo simples facto de aqui estar – uma boa causa. O que acho é que há um ou dois punhados delas que têm um sentido ainda maior. Uma causa (ainda) mais bonita. Uma causa que o sorriso da Matilde serve nesta imagem. Como servem os sorrisos da Carolina e do Miguel. Os sorrisos da Sónia, da Sofia e do Manel. E os da Clara e do Gonçalo.




[esta publicação pode ser vista aqui também]

quarta-feira, 24 de Julho de 2013

Biquini do Panamá

Biquini do Panamá


[uma bonita sequência desde mesmo biquini e do respectivo panamá pode ser vista aqui]

quarta-feira, 17 de Julho de 2013

No terreiro

No terreiro


[esta imagem pode ser vista aqui também]

quinta-feira, 11 de Julho de 2013

Excepção à regra

Filipa&Francisco

Não são desconhecidos. É o meu afilhado e a namorada. Não os encontrei por acaso na rua. Liguei-lhes. Para isto

[esta publicação pode ser vista aqui também]

quinta-feira, 4 de Julho de 2013

Osiris

Osiris

Estendi-lhe a mão, apresentei-me e quando ouvi o nome disse:
- Osiris? Curioso.. a primeira pessoa que fotografei em Madrid chamava-se Osiris.
Ao que ela responde "não conheço ninguém que se chame Osiris". E insisto "estou seguro
que o seu nome era Osiris". Encara-me com uma atenção redobrada, como se me tentasse
alcançar a umas dezenas de metros e pronuncia:
- Alfaiate?
Sorrio (e com o meu sorriso faço-a sorrir também) e dou-me conta que, afinal, estávamos
ambos tremendamente certos. Era Osiris que se chamava a tal rapariga que havia sido a
primeira de muitas fotos em Madrid. E estava também certa a Osiris pela estranheza com
que encarou sequer a possibilidade de eu ter fotografado antes uma homónima sua. Havíamo-nos cruzado um dia, três anos antes, em plena Calle Serrano: aqui


[a Osiris pode ser vista aqui também]

quarta-feira, 26 de Junho de 2013

Hot in here

Hot in here

Não digo asneiras. Quer dizer. Digo. Na verdade cada um dos que já passou aqui é até potencial testemunha de que também as escrevo. Mas quando digo que não as digo digo-o pelo simples facto de acreditar verdadeiramente que só as digo quando sou confrontado com o que quer que seja que me obriga a dizer aquilo que em teoria não me deveria permitir fazer (o que, na verdade, me parece o mais ilustre dos sofismas para justificar a minha própria brejeirice). Digo-o quando vejo a minha equipa perder de forma inglória, digo quando o meu companheiro de equipa não corre aquilo que entendo que deveria correr, digo quando presencio alguma injustiça ou, tão simplesmente, digo quando sinto o que quer que senti no momento em que tirei esta fotografia. Digo-o porque vejo algo que me impacta de forma tal que não consigo deixar de dizer aquilo que sempre me ensinaram que não deveria fazer. Porque como já havia dito aqui, a imagem certa da miúda certa a mexer na porção, também ela certa, de cabelo certo é, fora da sua intimidade, o mais belo e feminino dos gestos permitido a uma mulher. E foi por isso, única e exclusivamente por isso... que o disse

[esta e outras imagens deste mesmo momento podem também ser vistas aqui]

domingo, 23 de Junho de 2013

sexta-feira, 21 de Junho de 2013

quarta-feira, 12 de Junho de 2013

Vega

Vega & Sevilla


Luís. Acho que se chamava Luís. Fez-me sinal na direcção delas e interrogou-me “sabes quem são?”. “Devia?” perguntei. Na verdade afirmei perante mim “que sim que devia” mesmo que, senão por outro qualquer motivo, pelo resultado imaginético que se adivinhava. A tarefa ficou simplificada uma vez que, casualidade ou não, convidaram a Vega a sentar-se ao meu lado naquele pátio sevilhano onde tomava o pequeno almoço. Só horas depois, quando a voltei a encontrar a meio da tarde, fiz este retrato. Mas foi de manhã. Foi de manhã que vi a Vega e uma amiga sua. Uma loira e outra morena como se, aquela imagem que havia captado a minha atenção, do Luís e a de quem quer que ali estivesse, fizesse parte de um qualquer trecho visual dedicado à mais intemporal das feminilidades. E perdi essa foto, em parte porque também eu queria contemplá-las e desfrutar do momento de forma discreta sem abordagens, fotografias ou apresentações. E, por outro lado, porque não me parecia bem deixar o tal Luís ali pendurado. O mesmo Luís que me havia perguntado “sabes quem são?”. A quem respondi interrogando “devia?” quando na verdade, feitas as contas, afirmava perante mim mesmo “que sim que devia”. Porquê? Porque quando olhei para a Vega vi uma virgem. Daquelas virgens por quem terroristas suicidas suspiram antes de se fazerem rebentar sobre um qualquer local onde, momentos depois, restará apenas sofrimento e dor. Como se, olhando para ela, encontrasse uma tal humanidade nesses homens a quem, pela violência dos seus actos, me custa sempre reconhecer tal atributo. E lembrei-me de tudo isto enquanto percorria o casco antigo de Sevilha. Enquanto percorria aquelas ruelas estreitas e pensava no quanto gostaria de fazer ali uma foto. Que a particularidade deste conceito de retratar, quem por casualidade passa do outro lado da rua, me impede de ter assegurado uma fotografia onde quer que me apeteça fazê-la. E, ao percorrer o Bairro de Santa Cruz, sinto as pedras das quais a sola do meu calçado não me protege. E chego a uma praça linda. Não se chama Velazquez nem Goya. Nem Alfonso XI, nem XII nem XIII. Nem Camilo José Cela nem Miguel de Cervantes Saavedra. Chama-se Elvira. Doña Elvira. Onde voltei um dia depois. Porque até há duas linhas era o dia x. O dia em que recordei a Vega, o seu encanto e o de Sevilha. Em que caminhei até ao ponto em que parecia sentir já os pedregulhos da calçada em contacto directo com os meus pés. Porque hoje que vos escrevo é dia x+1. E estou de novo em Doña Elvira. Na verdade estou duplamente com ela já que, para além de me encontrar naquela praça, me sento à mesa do restaurante que se apropriou também do seu nome. Sento-me, peço uma folha de papel e uma esferográfica. Vou já, neste preciso momento, nas costas da segunda folha que pedi entretanto. E recordo agora que por culpa da Vega olhei com humanidade para a imagem do terrorista suicida. Por causa da rapariga que entra (com a amiga, em tons mais escuros, igualmente bela) por aquele pátio sevilhano e faz com que o Luís me pergunte “sabes quem são?”. A quem contesto por intermédio de uma interrogação quando, na verdade, sabemo-lo agora tão bem, confirmo apenas perante mim mesmo “que sim que devia”. A Vega. Não resisto e digo “que nome bonito”. Que é, seguramente, uma das formas mais elementares e desprovidas de arte de se elogiar uma mulher. Mas é que Vega é lindo. Ela parece não desconfiar e eu, francamente, não tenho como lhe explicar. Não pode imaginar que, aquele pequeno-almoço num pátio sevilhano no dia x-1, me há-se servir de inspiração para, no dia x, enquanto caminho e sorrio por aquelas ruas e ruelas onde os pedras que emergem do solo me agridem os pés, pensar em algo que escrevo, neste momento, no dia x+1, sentado no restaurante situado na praça de mesmo nome que não pertence a um prémio Nobel, artista ou antigo monarca do nosso país vizinho. Pertence somente a Elvira. Doña Elvira. E nesse momento sinto-me rendido às mais simples e prosaicas sensações da vida. À brisa (quase que) fresca que se faz sentir nessa esplanada ou ao encanto que Vega deixará sobre mim, o terrorista suicida, o Luís, qualquer uma das pessoas que estava naquele pátio sevilhano ou qualquer outra que visite este blogue. E quando penso nisso esqueço-me até da planta dos meus pés sovada por aquela calçada antiga que o meu calçado de Verão não se ocupa de proteger. Vega soa-me o mais bonito dos nomes. Desmesuradamente belo. Ela parece não desconfiar e eu, francamente, não tenho como lhe explicar. Mas Vega é belo. Independentemente do que ela própria considerar sobre o nome que lhe pertence. E torna-se ainda mais belo naquele pátio fresco daquela cidade insuportavelmente quente com uma gente desmesuradamente simpática e orgulhosa. Porque o meu fascínio por aquela imagem matinal de uma loira e uma morena a irromper por entre o meu pequeno-almoço não eclipsa por um segundo a consciência sobre onde estou. Estou em Sevilha. E em Sevilha encontrei as gentes mais orgulhosas da sua terra. Porque em Sevilha ouvi – da boca do pai de um rapariga que ali conheci – o mais bonito dos ditos nativos. Dizia ele, sem qualquer trejeito ou laivo de ironia:
– Sabe o que me dá pena? A mim... A mim dá-me pena a gente que não nasceu em Sevilha.

Pois a mim dá-me pena quem não viu aquilo que eu vi quando o Luís me perguntou “sabes quem são?” e eu, na mais cínica das retóricas, lhe perguntei “devia?” quando já todos estamos fartos de saber que murmurava perante mim mesmo “que sim que devia, claro que devia”

[esta publicação pode também ser vista aqui (e desconfio, a partir do momento em que se conta, por aqui também)]

quinta-feira, 6 de Junho de 2013

Daniela

Daniela


[esta publicação pode ser vista aqui também]

domingo, 2 de Junho de 2013

quarta-feira, 29 de Maio de 2013

Tons terra em tons mar

Tons terra em tons mar


[esta publicação pode ser vista aqui também]

quarta-feira, 22 de Maio de 2013

quarta-feira, 15 de Maio de 2013

Três momentos de uma única imagem

Three moments of a single picture

Sou observador. Mas distraído também. Reparei nas meias de uma delas quando subia a Garret. E num outro elemento de uma segunda destas miúdas numa loja do Bairro Alto. Lembro-me de sair para atender uma chamada e de, no momento em que a termino, estar virado para uma loja de roupa em segunda mão. Está ali há tanto tempo que – apesar do potencial de me tornar seu cliente ser perto de nulo – me apeteceu entrar. Ao entrar reparo numa rapariga bonita (porque, se me é permitido, antes de ser um gajo com um blogue sou apenas um gajo) e, ao sair, dou-me conta que a tal rapariga está com cada uma das miúdas em quem havia reparado antes. E, cansado, afundado no egoísmo de quem não lhe apetece esperar, sem querer interromper a busca do vestido perfeito (mas interrompendo) lá perguntei (sem lhes falar desta sucessão de encontros num espaço de cinco minutos):
– Vai uma foto?

[estes momentos podem ser vistos aqui também]

quarta-feira, 8 de Maio de 2013

quinta-feira, 2 de Maio de 2013

Marc & Pere

Marc & Pere

Lembrei-me agora que, quando descobri uma certa hesitação nos seus rostos, lhes disse (deixando de lado aquela dose de humildade que fica bem não interessa a “quem”):
- Eu não quero apenas fazer-vos uma foto. Eu quero fazer-vos, senão “a”, pelo menos "uma das" fotos das vossas vidas.

Menos mal, quando ontem se viram aqui, escreveram-me a dizer que o consegui

quarta-feira, 24 de Abril de 2013

She's still sexy when she sweats

She's still sexy when she sweats (1) she's still sexy when she sweats (2)

Acho que, em miúdo, a minha concepção de “estar bem vestido” me transportava, directamente, para um dado momento envolvido numa dada formalidade integrando, muito provavelmente, um dado evento realizado para celebrar uma dada ocasião. Ter-me-á, provavelmente, sido transmitido por uma avó ou uma amiga através de um comportamento mais ou menos efusivo, mais ou menos alambazado, num dia em que tivesse o cabelo irrepreensivelmente penteado e em que, eu mesmo, pelas opções que eu ou os meus pais tivessem tomado no que à minha indumentária diz respeito, me sentisse... mais “bem vestido”. Algures no liceu ter-me-ei deparado com o conceito de “ter estilo” e uns quantos sinónimos em jeito de calão (uns mais ridículos que outros) que, imagino, conferissem por essas alturas um dado capital social a quem as proferisse. E “estar bem vestido”, “ter estilo” ou o que quer que queiramos chamar a alguém que, pela forma como se apresenta diante de nós, nos cativa visualmente (por motivos que extravasam, objectivamente, uma dada anatomia corporal ou facial) deixou de, na minha cabeça, ser prerrogativa de um determinado momento, ocasião ou formalidade. E quantas vezes me diziam “devias era fotografar aqui ou ali porque as pessoas vão assim ou assado” quando é, precisamente, nos sítios onde há uma expectativa de encontrar pessoas que perderam mais tempo que o costume a pensar no que hão-de vestir que menos vontade tenho de fotografar. E é precisamente por causa desta lógica que esta fotografia me fazia falta há tanto tempo. Provavelmente desde que, no paredão de Carcavelos, me havia cruzado com um casal de amigos que me tinha deixado a pensar qualquer coisa como “até a transpirar aqueles sacanas têm pinta”. E é curioso porque foi justamente quando estava a transpirar com o mesmo casal que me havia deixado a pensar nessa imagem (diametralmente oposta àquela que, em miúdo, esmagado entre beijinhos e amassos, me fazia ouvir “estás tão lindo”) que vi a Sara e lhe disse que – por mais estranho que lhe pudesse parecer – gostaria de lhe fazer uma foto. E não queria fazê-lo num outro contexto qualquer. Queria fazê-lo, precisamente, à saída do ginásio


[esta publicação pode ser vista aqui também]