sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Faz hoje meia dúzia de anos que publiquei aqui a primeira foto


Este Verão descobri que o 31 de Agosto é o dia mundial do blogue. Daquilo que li e ouvi percebi duas coisas. A primeira é que boa parte do interesse que os media descobrem nos blogues é por via da criação, por parte dos chamados famosos, das suas páginas pessoais (assumindo sequer, pese embora a irrelevância que essa questão representa para mim, que terá sentido chamar de “blogue ou página pessoal” a algo que, pelo que percebi, nem sempre é gerido pela própria pessoa). A segunda, que me importa bastante mais, é que o único foco ou interesse que foi atribuído à blogosfera é aquele que aparece pela via comercial. O Alfaiate faz hoje 6 anos. E uma das coisas que mais me orgulho (que não faz de mim melhor nem pior, faz-me apenas sentir bem com isso) é que a abordagem editorial deste blogue foi sempre a mesma. Viessem cá 10, 100, 1 000 ou 10 000 pessoas por dia. E é isso que digo sempre que alguém me “acusa” de esquecer este blogue. Digo que é impossível estar esquecido. Que (quase) tudo o que conquistei profissionalmente na última meia dúzia de anos decorre directa ou indirectamente daquilo que fiz aqui e do que aqui foi feito me permitiu fazer noutros sítios. Mas voltando a 31 de Agosto... Hoje, sobre os blogues, parece importar apenas o retorno que geram a quem pague para ter lá os seus produtos ou serviços. E não, não me faz confusão alguma que se ganhe dinheiro com um blogue (até porque fiquei bastante contente da primeira vez que isso me aconteceu). Nem mesmo que se ganhe dinheiro com os conteúdos de um blogue (ainda que, por opção pessoal, sempre me tenha recusado a fazê-lo). Mas faz-me confusão que se ganhe dinheiro com um blogue falando com as pessoas como se se tivesse acordado uma manhã a pensar num produto ou serviço quando na verdade se foi despertado por um e-mail ao qual se respondeu com um orçamento. Faz-me confusão que se passe por cima (ou pelo menos foi isso que senti que os media fizeram) de tudo aquilo que – na minha cabeça – é afinal um blogue. Gosto de pensar que se entrasse num blogue de menswear encontraria as marcas ou produtos que mais inspiram o seu autor e não aquelas que entenderam dispensar-lhe parte do orçamento. Que se procuro um apaixonado por viagens ele me vai sugerir os insights mais genuínos sobre um local e não o hotel que oferece uma estadia anual à sua família. Talvez me bastasse avistar alguma coisa que identificasse, de alguma forma, as publicações contratadas  porque - apesar de absolutamente elementar - não parece estar claro para muitas das referências cibernáuticas que aquilo que alguém se dispõe a pagar-lhes não é um conteúdo editorial (admitindo que, alguma coisa de editorial um conteúdo dessa natureza possa ter). Talvez me bastasse pensar que um blogue ainda é, mais que outra coisa qualquer, um espaço onde determinada pessoa publica aquilo que pensa ou em que mais acredita. Talvez me bastasse saber que, quando a natureza de um artigo é comercial, essa informação é dada ao leitor (reconhecendo que orçamentos e transferências bancárias não são necessariamente mutuamente exclusivos da simpatia pessoal que alguém que está a ser pago possa, por hipótese, nutrir genuinamente por determinado produto ou serviço). Ou será que o futuro, se me permitem a caricatura, é visitar um blogue assinado por um político de direita e ler um artigo que lhe foi encomendado por um partido de esquerda (ou vice-versa)? É que o presente passa já por assistir a que se digam maravilhas sobre o que quer que seja porque, chamando às coisas aquilo pelas quais elas pedem para ser chamadas, houve lugar a um pagamento. Não sou o Velho do Restelo nem os blogues têm que permanecer como nasceram, estáticos e imutáveis, ao sabor da minha vontade. E posso até aceitar, apesar de lhe reconhecer pouca dignidade, a tese de que cada um faz o que quer e bem lhe apetece no seu próprio espaço. Gosto apenas de pensar que a verdade e o respeito pelo próximo (ainda mais por aquele que nos lê) são tendências intemporais, não importa o ano nem a estação. É espectacular e tremendamente inspirador pensar numa dada plataforma onde eu ou outro qualquer Zé ninguém possa publicar de forma livre e gratuita o que quer que seja e (se for o caso), com os seus méritos e deméritos, conquistar uma legião de seguidores, passar a escrever para ali, a fotografar para acolá ou a fazer para o resto do mundo o que quer que seja que o seu blogue atestou que realizava ou executava de forma tão singular. Mas não me parece correcto mentir às pessoas. E menos correcto ainda (tal é o surrealismo moral da coisa) me parece mentir a quem nos segue e que, precisamente por o fazer, é responsável pelo nosso sucesso, mudança de vida ou o que quer que determinado blogue tenha feito pela biografia do seu autor. Por aqui não se preocupem. Censurem-me as vezes que acharem necessário por cá vir menos do que devia. Mas retenham o seguinte: como há exactamente 6 anos ou no dia que aqui vieram pela primeira vez... e para o bem e para o mal... por aqui está tudo na mesma

25 comentários:

di disse...

parabéns pelo teu trabalho ao longo destes anos!

Sílvia Silva disse...

Obrigada por este texto. Obrigada por pores em palavras aquilo que tantas vezes me passa pela cabeça. Obrigada por estes 6 anos e este post que me vai deixando alguma vontade de continuar a ler/visitar alguns blogs. Parabéns.

Caco disse...

Já era sua fã e com este post pasei a admirá-lo ainda mais. É que é disto que se trata. Exactamente isto. Sem tirar, nem pôr. Parabéns.

Caco disse...

Já era sua fã e com este post pasei a admirá-lo ainda mais. É que é disto que se trata. Exactamente isto. Sem tirar, nem pôr. Parabéns.

Anónimo disse...

Mas temos saudades..
Leonor

Paula C. disse...

parabéns por este blog.
mas concordo com a Leonor: temos saudades :)

Escrever Fotografar Sonhar disse...

O primeiro post do ano continua a ser especial, e este acertou na "mouche".
Parabéns!
E mais vale menos mas verdadeiros.

Anónimo disse...

é exactamente isto, zé. parabéns pela coragem de o "dizeres" perante tanta gente. um beijinho, ana murcho.

Sandra Marques de Paiva disse...

É isso mesmo e um blogue só é interessante se for gerido pelo seu verdadeiro autor e for escrito pelo coração e não pelo que paga mais. Há dias em que abrimos a blogosfera e todos os blogues falam sobre o mesmo. Boooorinhg. Continua com o teu fantástico trabalho e mantém-te original ( como o sumol ).
Beijinho e Bom Ano

Patrícia disse...

Maravilhoso é só aquilo que posso dizer. Ahh e parabéns! Quando fazemos as coisas de coração lá na frente tudo se explica.

Lia disse...

Há meia dúzia de anos, o Alfaiate era um dos meus blogues preferidos. Passada esta meia dúzia, o Alfaiate continua a ser um dos meus blogues preferidos.

Por imensos motivos.

Raquel Rodrigues dos Santos disse...

Parabéns, é disto que precisamos e acredito que a "seleção natural" ajudará a fazer existir e persistir pessoas tão transparentes e interessantes como tu.

stiletto disse...

Parabéns pelo aniversário e pelo satisfação e sucesso que este blogue lhe tem proporcionado.

Iva Araújo disse...

Publiques muito ou publiques pouco, não pares! Obrigada por esta meia dúzia de anos :D

Ana Morais disse...

Ponto. :)

Joana Banana disse...

Adorei! Já acompanho o blog há pelo menos 5 anos :)
Parabens!

Diogo Nunes disse...

Como já tive oportunidade de te dizer, adoro e admiro a tua fotografia. Quanto à opinião que expressaste, estou totalmente de acordo. Gostei particularmente quando falaste em "orçamento na véspera", certeiro! Continua! Abraço

The Lifestyle Fashion disse...

Parabéns pelas tuas publicações ao longo destes 6 anos...

http://thelifestyleandfashion.blogspot.pt/

Dana disse...

Bem, antes de mais, muitos parabéns (um bocadinho atrasados) pelos 6 anos aqui no "blogo-mundo" !!
Vim parar a este blog porque pesquisei "blogs" no google. Foi um acaso, mas agora percebo porque me apareceu em primeiro lugar :)

Anónimo disse...

Tal e qual. Por isso és um verdadeiro bloguer. Muitos dos que por aí andam na blogosfera cederam à tentação (legítima) e agora publicam só se lhes pagarem. Tudo bem, mas informem os leitores que o post é pago. Na realidade, a mesma opinião super positiva sobre um produto ve-se em 3 ou 4 blogs mais conhecidos. Espero que os leitores comecem a perceber o que estão a ler. Aqui não há regras de comunicação, logo o leitor não está protegido. Parabéns pela qualidade sempre acima da média.

Victor disse...

Parabéns pelo óptimo trabalho! É um blog, que ao longo destes 6 anos, tem alimentado o leitor de um forma bastante inteligente, conseguindo manter a qualidade ao longo do tempo.

Anónimo disse...

para alem do que (muito bem) dizes, um blogue tem que ser (muito) bem escrito e nisso és (também) mestre. excelente texto. muitos parabéns! um grande abraço, dg

Pericles Pinto disse...

Reconhece "pouca dignidade" à "tese de que cada um faz o que quer e bem lhe apetece no seu próprio espaço" mas no entanto é esse o argumento que usa para censurar os comentários de que não gosta...

Alexandra disse...

Há muito que cortei esse tipo de blogues da minha agenda.

Se, inicialmente, também tive o deslumbramento pelas roupas, semanas da moda, produtos, restaurantes aqui, viagens ali, e, como tal, seguia tudo e todos, agora não tenho mesmo a paciência. Da originalidade, passou-se ao exagero, para chamar a atenção (escolham-me, fotografem-me, olhem para mim!) e, depois, à clonagem. Posts repetidos, eventos repetidos, até roupas repetidas, à conta da transferência bancária.

Regressei aos antigos. Regressei aos que escrevem por prazer. Aos que brincam, aos que xingam, aos criativos que não estendem a mão à nota fácil. Os blogues da minha geração tinham aquela inocência já muito difícil de recuperar mas fomos pioneiros em tudo, até aos trapos instalarem-se. São mais tudo. Eu própria divertiam-me tanto a escrever e os primeiros anos foram aventuras.

Depois, de tempos a tempos, lembro-me do Alfaitate. Tira umas fotos com pinta mas escreve ainda melhor.

A vida instantânea das redes sociais já cansa. Venham as palavras. Venham as perspectivas livres.

Fã da TV e Cine disse...

Concordo, reproduzo.
Em blogue tem que ter alma. Espírito. Identidade.
Espanta-me que tanta coisa igual aparentemente seja o que se divulga por aí.