domingo, 1 de maio de 2011

(amanhã) A Mercé é mãe

Mercé

[Agosto 2010, Maiorca]

Um calor abrasador, daquele que não se aguenta a mais de 10 metros do mar. Desço com o Gonçalo, lembro o David e o Afonso que deixo a máquina envolta na toalha e dou com a Mercé deitada de olhos fechados, pálpebras fixas no céu, corpo humedecido pela água salina que sobe e desce e mãos submersas na areia. Sussurro “Gonçalo” e indico com o olhar o corpo da Mercé, ali abandonado:
      Foda-se. – murmuramos em coro.
“porque não a fotografas?” pergunta-me. Tento explicar-lhe que a minha lata conhece limites e que, sugerir a uma a mulher semi-nua que se deixe fotografar para uma publicação onde se espera que a roupa seja o tema central, poderá fazer-me passar por uma pessoa (mesmo muito) doente. Ele vem-me com a retórica (que sabe ser-me tão querida) “mas o teu blogue não é apenas roupa” e começo mandá-lo dar uma volta quando principio, eu mesmo, a ceder à sua ideia – porque os melhores amigos são, precisamente, aqueles que têm a presunção e a legitimidade para nos lixarem o juízo até fazermos aquilo que eles entendem ser o melhor para nós – e a lembrar a mim próprio que são momentos como estes que mais pica me dão. Que foi por momentos como este que comecei este blogue. E a verdade é que, se convidar estranhos a tirar uma foto poderá soar estranho, passar a fazê-lo por sistema torna-o quase mundano. Ganha-se o hábito, aprimora-se o jeito e a coisa, mais acerto menos acerto, começa a dar ares de rotina. E como em tantas outras coisas na vida vou experimentando e testando para que, a minha existência – ao menos aqui – não caia também ela num hábito. E foi o que fiz. Aquilo que, precisamente, me apeteceu fazer sempre. Sair da rotina, ficar nervoso como fiquei como quando beijei pela primeira vez alguém com quem achei que poderia querer ficar (para sempre?), como quando me apresentei ao presidente do Comissão Executiva da minha entidade patronal para lhe dizer algo tão estúpido como “tenho um blogue”, como quando tomei para mim próprio que era a última vez que aquele anormal do 7ºC me incluía no lote dos putos mais novos aos quais distribuía caldos gratuitamente e lhe espetei dois murros na tromba à frente da turma inteira (e segui directo para casa com um olho negro e o nariz a sangrar) ou como em tantas outras vezes que fiz o quer que fosse que, feitas as contas, não tinha outro propósito maior que fazer-me sentir vivo. E quando decido comigo fazer cada uma dessas coisas que me fazem sentir que me transcendo... pareço sentir o corpo a fugir-me, tal qual a sensação daquela montanha russa que nos faz perder o pé, o estômago e tudo aquilo que temos por certo e agarrado ao corpo. E o mais curioso (ou talvez o mais óbvio) é pensar na precisa pessoa por quem gritei em cada uma dessas vezes em que entrei num parque de diversão para sentir a adrenalina no corpo:
– A minha mãe.
Foi por ela quem procurei todas as vezes em que senti medo, todas as vezes em que senti a minha frequência cardíaca obstruir-me a audição. É por ela que se procura, em criança, no momento em que se dirige a palavra ao amor pueril da sala do lado, quando, na adolescência, se engole em seco antes de se beijar a primeira miúda ou quando, mais tarde, nos estreamos a despir uma outra. A mesmíssima pessoa em quem pensamos noutro momento qualquer em que nos transcendemos, seja na nossa vida pessoal, profissional ou em qualquer outra, como aquela em que me cheguei perto da Mercé e lhe disse “Hola” enquanto fazia, mentalmente, a contagem decrescente para um momento, um outro, em que haveria de descer da toalha um gajo com 2 metros e muitas ganas de me partir a cara.

Não sei se este retrato será moda... se será a vossa moda. É seguramente a minha. Que a minha moda não é mais do que a minha própria concepção do belo, dos estímulos visuais, empíricos, emocionais ou até, estritamente psicológicos e sociais. E se dúvidas me restassem em como este momento era um momento especial, tirei-as quando, à despedida, a Mercé me diz (e só aí me dei conta):
– Mañana seré madre.
E aí perdi o receio. O receio de publicar esta imagem. Da última imagem que mo deveria causar. A imagem duma mulher que é moda. Não sei se a vossa mas, seguramente, a minha moda

(à minha mãe, à do Gonçalo, à Mercé, à mãe dela e a todas as mães destes putos duma ilha ali em frente. pois foi graças a estes miúdos que, numa noite de insónias – que ainda não me recompus das 5 horas de atraso que levo de Greenwich – arranjei inspiração para escrever um texto para ilustrar uma dada ilustração que ilustrei um dia numa praia em Illetas)

72 comentários:

Anónimo disse...

Excelente. Sem medo de ser feliz!

Ivânia Santos (Diamond) disse...

Linda foto!!! :D

Raquel Fernandes disse...

É a tua moda, a minha moda, e deveria ser a moda de todos nós. VIDA é moda.

Texto lindo...

we agree to disagree disse...

Sigo este blogue há imenso tempo. Para mim até hoje a melhor foto de sempre foi esta :)

Parabéns pelo timing

***

Anónimo disse...

o corpo da Mercê está vestido de Amor...
Fantastica foto :)
Parabens
Gisela

Nessuno disse...

A profissão a que aspiro diz-me para ficar em choque com a imagem, o homem dentro de mim diz-me para ficar excitado, mas o filho que sou diz-me para ficar com uma lágrima no canto do olho.

É difícil haver alguém a quem recorremos mais que a nossa mãe. Se por ventura ela não estiver presente, procuramo-la nas nossas amigas, namoradas e todo aquele que pode cuidar de nós. A verdade é que nuna a encontramos, e isso não é mau =)

Anónimo disse...

Parabéns! Tá mta giro o texto! abraço

ELENA disse...

Fiquei sem palavras. Acordar de uma longa noite de festa e ligar o computador e encontrar-me com isto... faz-me ficar sem palavras. O que tu fazes é contribuir para uma maior felicidade dos outros.

Anónimo disse...

A nossa essência...

Turma B ESE disse...

São fotos como esta que me fazem passar pelo blog todos os dias.

É genial a elegância com que esta foto foi captada, apesar do semi-nu.

Teresa

A escriva disse...

Não há nenhuma moda nas coisas a não ser o olhar terno com que as queremos abraçar. E então são nossas porque nos filtram a alma de belo. E é nas coisas inesperadas que nos vemos renascer inteiros, convictos do que é para nós o frio na barriga que nos impulsiona o caminho. E em cada pedaço disto somos tudo porque somos em pensamentos o colo da mãe que nos guarda sempre.
A Mercê tem o olhar despreocupado de quem sabe bem de si!

Ana Canadas disse...

Gostei muito deste teu texto e acho a foto muito a propósito. Beijinhos

bruna disse...

fico um pouquinho mais feliz quando há textos acompanhando as fotos!

Anónimo disse...

Continue a fotografar e a comentar as modas da sua vida, nós gostamos. Muito BOM! :)

Mariana disse...

Está uma imagem linda e ao início até fiquei na dúvida se ela estava grávida... Irradia alegria. O texto, como sempre, está excelente =)

Natália disse...

Adorei a foto, a simplicidade e genuinidade q transparece! O texto está fantástico!

Alee - coletandodias.blogspot.com disse...

Um blog sobre roupas que não fala de roupas. E é por isso que o gosto tanto e o indico a quem posso.
Post mais lindo ever!!!

Alee - coletandodias.blogspot.com disse...

Ahh esqueci de dizer:
A MERCÉ É MUIIIIIIITO LINDA.

Catarina disse...

A Mercê está simplesmente belissima. Parabéns pela fotografia.

Anónimo disse...

lindo

Maggie de Azevedo Godinho disse...

:)

Anónimo disse...

obrigada, nem é pela fotografia, mas por ti e por este texto, tão sentido, que mereces um grande beijo. não me importava que um filho meu (que não tenho) fosse um homem, assim como tu és.

Carol GMS disse...

Muito giro! Agradeço-te nao teres tido medo de tirar essa foto que tao bem resplandece a beleza de ser mãe. E neste dia, sinceramente, ainda nao tinha lido um texto tao bonito como o teu. Que continues a correr nessa ansia de te sentires vivo, que continues a procurar coisas incessantemente e que continues a captar esses momentos e a ilustrá-los com as tuas palavras, mesmo estando num outro continente.

fashmark disse...

wow. Perfect!

Moura disse...

Foi a leitura da revista Máxima, deste mês, que fez com que tivesse conhecimento do blog. Feliz coincidência na estreia deparar com esta foto e este texto! Parabéns! Vou continuar a espreitar o que por aqui se mostra e diz... :)

Anónimo disse...

Muito bem, Zé! Abraço André B

rui disse...

muito bom mesmo Zé!!! Sério!!

abraco

Pipas disse...

é o mais belo da vida..........AMEI
PARABÉNS aos 2 :)

Lucyana Mendes disse...

Uma grávida tem o direito de ser sexy, de ser mulher*

Adorei o texto e amei a foto, parabéns Alfaiate*

http://fashionviktima.blogspot.com/

Helena de Troia disse...

Lindíssima Alfaiate... Também eu hoje beijei muito a minha mãe.

Alexandra disse...

Linda de morrer!

Ana Cristina Milheiro disse...

Belo estado, Belo texto, Bela foto...

A foto e o texto, são uma bela homenagem a este dia!!
"Dia Mãe" são todos ou deveriam ser todos os dias das nossas vidas!

... Sair da nossa zona de conforto pode custar, pode até dar medo, etc... mas por vezes o resultado é muito mais do que gratificante!!!
Aqui está a prova disso!!!

E desta fez ainda tivemos direito a banda sonora!! Lindo!

Adorei

Cris

Ana disse...

A foto é linda, ela estava linda e o texto é muito bom. :)

Neimar Alves Guerra disse...

Excelente!!!
Muito bom!!!
Adorei este post!!!
Parabéns. Seu blog está cada dia melhor.

S* disse...

Muito bonita, Alfaiate. Poderosa.

Anónimo disse...

Adorei o comentário, mas não sei quem é a Mercê. Quem é a Mercê?

Dias Cães disse...

Assim que abri o blogue, o preconceito fez-me pensar: "desta é que ele se passou". Depois fui dando espaço à tolerância, vi o romantismo da imagem e acabei rendida ao texto. O jeito para tricotar palavras engrandece a espectacularidade, tantas vezes banalizada, da gravidez. Desta gravidez.
Mas um dia também vou querer ficar assim, linda de cheia. E nesse dia havemos de falar para também tricotares a minha imagem com as tuas palavras.
Parabéns!

http://diascaes.blogspot.com

dona maria papoila disse...

:)

Ayres disse...

São atitudes como estas, palavras como estas, que cada vez mais gosto da personalidade vincada do Zé! Felicitacões ao Zé, á Mercés e a todas as mães no Mundo.

Parabéns aos miúdos da ilha ao lado, são fabulosos e transmitem uma energia do outro Mundo:)

stela alves disse...

Parabéns!!!
Street Style by Stela

dg disse...

há na mercê tanto de charme como de serenidade e captaste-a assim, nas palavras e na fotografia.

ainda bem que saíste da tua zona de conforto e te superaste.

um grande abraço
dg

Isabel I disse...

Pela parte de mãe que me toca, obrigada por essa linda foto.

Érica disse...

Fantástico texto...bonita foto.

Anónimo disse...

Queria ver a foto publicada sem o texto.

Estariam todos extasiados na mesma?

Esta foto teve de ser acompanhada da explicação para aqui estar...porque à primeira vista não faria sentido. Nem à segunda...

Buddymary disse...

O Alfaiate tem mesmo uma fixação na letra F... e não me refiro a "Fotos Fabulosas" ou mesmo a "Frases Fenomenais"... Mas devo dizer que ADOREI o texto, mais uma vez cheio de sensibilidade e ternurento.
ADORO esta foto, que vai já para o TOP FIVE...adoro-a pelo seu propósito e pela sua incontornável beleza, que tanto se afasta dessa moda pimba que é fotografar grávidas todas retocadas e de unhas e cabelos falsos, em poses que lembram tudo menos a beleza da VIDA e da maternidade e do maravilhoso que é ser-se mulher. Ainda bem que essa não é a sua moda, pois também não é a minha nem, seguramente a de todos os que seguem este blogue.
PARABÉNS!

Ariana disse...

Sou mãe e esta foto fez-me lembrar a minha gravidez feliz e despreocupada de há 8 anos atrás...Fotos destas são muito bem vindas!

Dias Cães disse...

Caro "Anónimo, de 2 de Mai de 2011 13:04:00", não! A foto não faria sentido nenhum sem o texto. Por isso é que ele lá está. Chama-se a isto ser inteligente.

BiaMara disse...

Fizeste uma viagem a todos os recantos de ti..
E em todos ela aparece, radiosa, sorridente e confiante..

Beijinho à mãe deste filho..

obrigada:)))

Rute disse...

...depois de ler todos os comentários...já não sobra nada para eu dizer :(....
...afinal ainda vou acrescentar... fiquei muito sensibilizada e comovida com este post ( foto + texto, obviamente!!!).

m disse...

Como pessoa não sei quanto vales, mas como des-escritor deste uma bela imagem/fotografia. Adorei

stranger disse...

Parabéns pela "conquista" da foto e especialmente pelo texto. Já agora obrigado pela divulgação do coro de miúdos. Brutal!

Anónimo disse...

"Anónimo", de 2 de Mai de 2011 e o texto publicado sem a foto hem? Ou que tal meia foto e um quarto de texto? lololol. GC

Anónimo disse...

caramba,zé..que discurso fabuloso. quem começasse por n gostar da foto, dps de o ler ficou sem hipoteses.Tens de deixar de ser tao amoroso, para que possamos julgar a qualidade das fotos sem outras distraçoes :) well done.

Sairaf disse...

Muito bonita!!
Continuação de boas fotos
Abraço Zé :)

Anónimo disse...

A pessoa que criticou a foto porque não poderia existir sem o texto... também deveria concluir que tal critica dificilmente teria lugar se ela não tivesse cérebro... e daí.....:) Abraço Andre B

O Cool Hunter Bracarense disse...

Parabéns á mercé!! boa captura! keep the spirit alive!

rosaamarela disse...

de puta madre!!!

gracias!!!

Maria disse...

Pois então nesse caso serei das poucas vozes discordantes! Esta foto não me encantou, não que a mercé não seja linda, e tnh um corpo estonteante! mas acho acima de tudo uma fotografia sem pudor (e não por ter as maminhas ao léu)! Nesta falta de pudor creio haver uma certa leviandade ao mostrar a barriga, que não me fascina. Just my opinion. ;)

Bjos

Franjiinhas disse...

... OMG! Está fantástico, tudo. Não sei se é de mim ou se é do teu talento, mas este texto e esta fotografia hoje tocaram mesmo. Só te posso dar os parabéns e dizer que continues assim.

Um grande beijinho, tu mereces. :)

Paulo disse...

de longe... muito longe, a melhor foto que até agora te vi. e, relembrando outros textos teus, este blogue não é sobre moda é sobre pessoas... este é o retrato perfeito de uma pessoa em estado de graça. BRAVO!!!

Anónimo disse...

Gostei muito da foto e adorei o texto. Para mim, este blogue é sobre pessoas e tudo o que nos transmitem. Admiro a tua coragem para criares este projecto, continuares a desenvolvê-lo e a transcender-te. Obrigada pela inspiração!

Anónimo disse...

Esta foto e este texto são de tal forma maravilhosos e sublimes que pouco há a dizer... Talvez apenas dar-te os parabéns por seres como és. A Mercé não existiria neste esplendor de mãe se não fosse captada pelo teu olhar.

Obrigada por este momento.

Cristina P.

unclerunway™ disse...

Ainda bem que saíste da tua zona de conforto e te superaste Alfaite.

Todos os momentos que celebraste com as tuas palavras junto dessa fotografia foram sentidos, dá pra saber :) adorei a dedicação a Mercê e a coragem a que te superaste para ir ter com ela. esta foto está realmente soberba e com imensa descontração. dá pra ver que foi sublime o vosso magnetismo. só o facto de ela te dizer que ia ser mamã, ela estava vestida de orgulho e de anciedade, e isso ficou muito bem retratado no teu texto. Os meus sinceros parabens por esta foto e pela tua subtileza no que toca a palavras "cheias" de ternura

Piccole Cose disse...

Que fotografia mais ternurenta ^^ ganha uma outra dimensão depois de ler este texto maravilhoso*

@ Menina disse...

Amei!

Pauluxa disse...

Bela foto e comentarios do autor...

Raquel Sousa disse...

Além de admirar as suas fotografias admiro as suas palavras. A forma como compõe as frases, as palavras que escolhe, a ideia que transmite, o simples quotidiano, o simples sentimento, a simples opinião... É fantástico, maravilhoso! PARABÉNS! Mais um blog para seguir com atenção!

Anónimo disse...

Concordo plenamente com a Raquel Sousa, o seu blog é realmente maravilhoso. Não só pelas fotografias, mas pelas histórias a elas associadas...

Mis mejores deseos para Mercé! Felicitaciones

Ana G.

Alice disse...

adorei a fotografia e o texto. escreves tão bem quanto fotografas. :)

Anna Magdalena Bach disse...

Nao gosto; acho exposição da intimidade que só a ela e à famílai diz respeito. Não ia gostar de ver uma foto destas na praia da minha mãe...
Mas obrigada por partilhar porque está é a minha opinião apenas e vale o que vale!

Aos Meus Olhos disse...

De longe a (muito) longe passo por aqui, até pq a minha vida de ofial de justiça, mãe de 3 e mulher de um colega seu não me deixa muito tempo, e deparei com esta foto: A gravidez é realmente um estado de graça. A coisa mais linda que uma mulher pode viver. Parabéns pela foto e pelo texto.
Ana

Anónimo disse...

adoro o texto, fantastico :)