quarta-feira, 3 de março de 2010

O Principezinho

O Principezinho

(houve um dia, já crescido e sem cachecol, que se fartou de cativar a Rosa e flirtar com a Raposa e apanhou uma ligação lowcost do seu asteróide para Londres)

Nunca vos aconteceu alguém falar convosco mas uma voz, uma outra, talvez a nossa própria, se sobrepor à do nosso interlocutor e ali estamos nós de olhos fixados em quem nos dirige a palavra, acenando cinicamente com a cabeça enquanto o nosso pensamento nos foge? Acho que este rapaz – bastante simpático diga-se – me disse que usava uma máquina igual à minha. Deve ter sido isso já não sei bem…porque, do que a tal voz me falou foi duma viagem a Paris e não a Londres, em Dezembro de 2002, que de tanto ouvir um amigo fazer citações à personagem que este miúdo me lembrou, acabei por reler a obra. Mas não foi fácil convencer-me. Na viagem estava mais preocupado com o incómodo desarranjo intestinal que o paspalho que estava ao meu lado tinha e, durante a estadia, com a dúzia de croatas que tínhamos conhecido. E quando o outro me vinha com as citações do Principezinho respondia-lhe “está bem…está bem” e virava-me de imediato para uma das duas ou três croatas que me tinha proposto a cativar (ou lá o que lhe quiserem chamar). Optámos pelo que de menos inteligente havia a optar ao achar que era engraçado passar a meia-noite de dia 31 nos Campos Elísios. No meio da confusão perdi-me deles. Um amigo meu saiu-se um dia com uma frase engraçada (verdadeira ou não, pouco interessa) segundo a qual: “As croatas não são boas, são muito boas”. A verdade é que esse argumento não me sensibilizou muito e passei 3 horas a evitá-las e a procurar desesperadamente os meus amigos. E percebi que das piores coisas que nos podem suceder é sentirmo-nos perdidos no meio de uma multidão festiva. E foi aí, na plena amargura de passar tão mal uma noite que se imagina tão boa, que vivi um dos meus momentos de maior felicidade – daquela pura e instantânea, como que servida em pequenas doses concentradas ao estilo da adrenalina – quando, já sem grandes esperanças, encontrei e abracei os meus amigos.

E sim…acho que é verdade: “somos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos

E sim "acho" que também é verdade...o paspalho com o desarranjo intestinal era mesmo eu

31 comentários:

Hysteria* disse...

Tão descontraído, tão "cabelo despenteado", tão próprio... que até dá gosto só de olhar!

E por muito cliché que te possa parecer essa frase do principezinho, não deixa de aparecer, de uma forma ou de outra, num momento mais ou menos marcante... A ti foi numa altura de desarranjo intestinal :P *

Beijoca alfaiate :P

TeKanelas disse...

Bem apanhada esta tua analogia entre a foto e o principezinho.

Anónimo disse...

Boa.
Abraço, manuel gouveia

D. disse...

Recordações boas tuas e de quem conhece tão bem o principezinho, e que se arranjam mesmo com desarranjos intestinais.

(também reli há muito pouco tempo)

Ana Oliveira disse...

Adoro!!

Vandinha Chibeles disse...

Talvez tenha sido o ar tão descontraído e muitooo próprio, que me fez olhar mais do que uma vez para Foto!!
é disso que aqui se trata, Pessoas com o seu Estilo Próprio..

Zé...grande espisódio esse..não esqueceu!

Ivania santos By DIAMOND disse...

AMEI!! <3

xoxo*
Ivânia

Anónimo disse...

Bela foto. O Principezinho é (como para muita gente) um livro importante na minha vida. Na versão que li primeiro a tradução era "prende-me a ti" e não "cativa-me". Pessoalmente, gosto mais da primeira, estar preso - neste sentido - é (digo eu...) muito melhor do que estar cativado. Já agora, no original, diz a raposa:
" - S'il te plaît... apprivoise-moi !", que é mais "domar".

Enfim, obrigada pela foto e pelo texto.
fungaga

Anónimo disse...

Bela foto. O Principezinho é (como para muita gente) um livro importante na minha vida. Na versão que li primeiro a tradução era "prende-me a ti" e não "cativa-me". Pessoalmente, gosto mais da primeira, estar preso - neste sentido - é (digo eu...) muito melhor do que estar cativado. Já agora, no original, diz a raposa:
" - S'il te plaît... apprivoise-moi !", que é mais "domar".

Enfim, obrigada pela foto e pelo texto.
fungaga

adelina disse...

ele n s parece com o principezinho q tinha imaginado mas tem um ar de desleixo agradavel

cativar é ambíguo.. domesticar ficava melhor, tornar teu e tirar proveito disso

Beatriz Mesquita disse...

Adorei o post... ;)
E por muito cliché que possam ser hoje em dia , as frases do principezinho carregam muita sabedoria!

MG disse...

Nice*

Sofia disse...

Adorei a foto e o texto. Continua a cuidar da tua flor...
Sofia

Alexandra disse...

Francamente, desconfio sempre de pessoas que façam citações do principezinho. Soa-me a falso, pseudo.

Ok, desconfio sempre de pessoas qeu façam citações. Podem ser maravilhosas mas não há nada como as nossas próprias palavras. (Mesmo que sejam asneira.)

Ainda assim, produziu-se uma bela fotografia. Gosto do ar rebelde.

Isabel I disse...

Arriscando soar a falso e a pseudo, cá vai outra citação do Principezinho: " Só se vê bem com o coração. O essencial é invisivel para os olhos". Arriscando a que desconfiem de mim, eu prefiro fazer citações a dizer asneiras.

Anónimo disse...

xiiiiiiiii O Principezinho....continua ( há anos ) desde que o li pela primeira vez, na minha mesinha de cabeceira! Um dia desta volto a le-lo! :) beijinho
Pintas

Nessuno disse...

tenho umas botas parecidas

continuando assim... disse...

convite para seguir a história de Alice , lá no --- continuando assim --- ainda vai no princípio :) espero que gostes

bj
teresa

Anónimo disse...

"Where are the people?" resumed the little prince at last. "It's a little lonely in the desert..."
"It is lonely when you're among people, too," said the snake.

Brutal!! Foto excelente!


Migonga

MIA disse...

estou agora a analisar O Principezinho a português. é um livro simples e bonito, assim como este rapaz, uau

António Prates disse...

Por muito que aprecie a arte fotográfica e a singularidade de um momento que calhou em sorte a uma qualquer objectiva, a arte quimérica das palavras fazem-nos sempre sentir na pele daqueles que nos seduziram por tempo indeterminado. Claro que um dia me senti um Principezinho nas mãos da parábola de Saint-Exupéry; assim como me senti um Carlos da Maia nos enredos verazes de Os Maias do amigo Eça; ou um Baltasar Sete-Sóis nas epopeias memoráveis de Saramago; ou um Príncipe com Orelhas de Burro na obra didáctica e poética de José Régio; ou ainda tantos outros personagens, que nos fazem levitar enquanto nos fazem sentir felizes - como feliz parece estar este Principezinho!

Saudações, e que sejamos sempre responsáveis por algo…

É assim o nosso reino!

Anónimo disse...

Este rapaz tem um olhar menos sereno do que o principezinho, mas excluindo isso, diria que é o principezinho do século xxi... E mais uma vez, Londres dá-nos 5-0 em calçado... confesso que só li o texto na diagonal, mas tenho-o em casa, a ver se o leio quando voltar a Lisboa em Setembro!:) Abraço

Anónimo disse...

PS: te rapaz tem um olhar menos sereno do que o principezinho, mas excluindo isso, diria que é o principezinho do século xxi... E mais uma vez, Londres dá-nos 5-0 em calçado... confesso que só li o texto na diagonal, mas tenho-o em casa, a ver se o leio quando voltar a Lisboa em Setembro!:) Abraço Andre B

Py disse...

Quando estive na Croácia eu e o meu namorado sentamo-nos numa esplanada e por brincadeira começamos a contar as raparigas lindas que passavam e os rapazes giros também, eu como sou muito esquisitinha consegui contar 2 vá, mas de mulheres contámos uma 15 e não eram mulheres normais ou engraçadinhas, eram mulheres lindas mesmo, muito bem vestidas e com corpos esculturais. Raça das Croatas são de mais mesmo! Agora o teu post fez-me lembrar esse episódio. :)

GoisabelGo disse...

Principezinho? Qual que!?

Cruz Credo!

Ana disse...

Adoro a foto!

E o Principezinho :)

Anónimo disse...

sartorialist

Miina disse...

Rapazinho mesmo giroo

tambem quero um principezinho assim :b

Anónimo disse...

ó alfaiate, eu não posso falar pelos outros, mas a mim cansa-me ver-te a arranjar pretextos para falares de ti..é um pouco cansativa essa tua pratica onanista encapotada..
adoro as fotografias..

Diandra26 disse...

por acaso....essa foto realmente faz lembrar o Principezinho....=) um dos meus livros favoritos!

adoro a forma como caracterizas as fotos - ninguém melhor que tu para o fazer de facto já que estando a captar o momento,só tu sabes a emoção que lá está.

esse Principe parece me um pouco supreso..talvez nunca se tenha apercebido do quanto parece único,neste mundo onde cada vez mais todos se parecem uns com os outros.

a mim,olhando-lhe o olhar,parece me que ele afinal tem aquela pureza e ingenuidade do Principe...eu ainda acredito que os há por aí ;)

basta ter a tua percepção para o captar,basta ver esta foto para saber isso.

Bj e parabens pelo Blog.

é a 1º vez que o visito.

Madalenão disse...

AHAH! Espectáculo!Adoooro!!