domingo, 31 de maio de 2009

O meu primeiro turbante

O meu primeiro turbante

Se me perguntarem por um destino exótico o primeiro país que me ocorre é a Índia. Além disso tenho uma concepção hiper-romântica da mulher indiana e quando penso na sua versão masculina ocorre-me sempre aquela cena do Paciente Inglês em que a (personagem interpretada pela) Juliete Binoche se fica a babar ao ver o Naveen Andrews (Tenente Kip Singh) lavar o cabelo depois de o vermos tirar cuidadosamente o seu turbante.
Algumas das fotografias que aqui aparecem são conceitos que havia desenhado mentalmente e que aguardavam apenas a oportunidade certa para a sua concretização. O turbante era precisamente um deles. Reconheço que foi “ele” que me tinha levado de passagem pelo Martim Moniz e aproveito também para vos confessar que a última fotografia foi uma espécie de achado no meio de uma sequência que não era mais que um teste à luminosidade daquela praça. Mas o Martim Moniz e a ideia que dele têm os Lisboetas transporta-me para os aplausos com que brindamos Londres, Nova Iorque e todas essas metrópoles que servem de paradigmas aos “melting pots” e às “multiracial societies”. A verdade é que parecemos apreciar mais esses conceitos sociológicos quando se reproduzem a alguns milhares de quilómetros de distância das nossas casas. Não façam caso do plural, não é mais que uma forma (um tanto ou quanto) cobarde de tornar menos pesado o fardo deste meu acto de contrição – vês Mãe…perdi a fé em Deus, mas não na sua palavra.
E lembrei-me de tudo isto no momento em que voltei as costas a Balbir Singh. Só não sonhava que o seu apelido fosse o mesmo da personagem cinematográfica responsável pela minha visão charmosa do homem de origem indiana.

26 comentários:

shoe girl disse...

já não pensava nisso há anos mas agora que escreves...bem que me lembro de babar como a binoche a ver o naveen andrews a tirar o turbante. havia ali alguma coisa muito mágica.
este, mesmo sem essa magia toda, tem um sorriso e um olhar muito queridos. só a barba é que não...
(gostei mt deste txt :)
bisous

Vee disse...

Singh são todos os que usam turbante. É verdade que nem sempre o martim moniz tem encanto, mas sabemos que se queremos qualquer coisa de outros mundos, no martim moniz existe, e no que diz a estilo, e a estilo pessoal não existe de facto melhor "melting pot".

Obrigada.

Pedro Bastos disse...

Concordo absolutamente. Os lisboetas em geral são super preconceituosos relativamente à multiculturalidade da nossa cidade. Adora-se louvá-la e idolatrá-la em tertúlia mas, no terreno, uma certa repulsa e até desprezo é o que comummente sinto da parte dos letrados. É pena.

Vicente disse...

Epá...n há dúvida. Granda blog! foto texto. tudo!

Isabel I disse...

Eu não disse há uns posts atrás que o Alfaiate faz antropologia ou análise sociológica ou lá o que é? Grande foto! No Rossio, no Martim Moniz, na Cova da Moura, deviamos orgulhar-nos desta nossa cidade de "...muitas e desvairadas gentes." Isabel I

Ela disse...

Obrigada.
Pelas fotografias.
Pelos textos.
Pelo gosto de encontrar os pormenores.
Por acreditares que Lisboa merece um alfaiate a tempo inteiro.
E por compreenderes e gostares da nossa cidade tal como ela é.

Ganhaste uma nova leitora.

Marta disse...

Tão típico...
Tenho que ver esse filme!

Anónimo disse...

"A verdade é que parecemos apreciar mais esses conceitos sociológicos (melting pot) quando se reproduzem a alguns milhares de quilómetros de distância das nossas casas"

Bem visto, mas a nível pessoal devo dizer que não gostava de uma Lisboa parecida com essas metrópoles. GONGA

Anónimo disse...

Desde que vi o autor deste blogue na Sic Mulher venho aqui todos os dias depois do almoço. Mais dia menos dia ia acabar por comentar. O Paciente Inglês é o "meu filme" e a relação entre essas dois personagens é tão bonita quanto aquela que serve de base à narrativa principal.

Lindo este seu turbante

Anónimo disse...

Grande.

AC disse...

Mais um grande momento.
Não sei o que é mais forte... se o turbante, se a barba... mas qq é um deles são sinónimos de poder ou melhor... sabedoria. :)

Já estive na India... os meus avós paternos eram goezes... é um país inimaginável por toda a sua condição... a má e a boa... costumo dizer que é o Inferno e o Céu juntos... Definitivamente um país que prova que os Dois existem!...

Muito bom trabalho!

Beijinhos,
AC

pili disse...

passear no martim moniz ao sábado faz-me voltar aos tempos em que vivi fora de portugal; às ramblas de barcelona e à chinatown de ny.
"I <3 it"!!
por coincidência este sábado vi (no porto!) um rapaz com um incrível turbante rosa choque e camisa levemente mais clara mas não tinha a máquina comigo! fiquei com pena

de olho no Alfaiate disse...

este post é lindo

(n)Ana disse...

:o)
Adorei o Paciente Inglês, o filme e o livro. É cheio de poesia.
Ah! Os turbantes lembram-me SEMPRE a cena do Naveen e da Binoche. Granda cabelo.

O Martim Moniz é uma mescla engraçada de gentes.
Mal sabia o desgraçado que se deixou entalar que ia dar nome a tanta diversidade. :o)

Francisco G. disse...

Detestei o "Paciente Inglês"... Mas são gostos. Adoraria eu que o senhor dono deste blog me descortinasse aquelas personagens da noite... No Innverno molhado e frio... Acabadas de sair de um "Blade Runner" alfacinha... ehehheheheheheh...

Melhores cumprimentos :)

Anónimo disse...

Francisco….essa das dessa multiplicação de personalidades é boal. Não pode haver duas pessoas tão com tão mau gosto a fazer 2 comentários tão estúpidos em 10 minutos.

Anónimo disse...

lolololol francisko axo k o blog e de uma rapariga ...bjinhux!! ADORO AS FOTOS!!!!!! CUuca

Anónimo disse...

Adorei!
Tenho mesmo que ver o paciente... Já não é sem tempo!
Parabéns pelo blog!


Angie

Francisco G. disse...

Anónimo... informa-te... o senhor dono deste blog é HOMEM... Inclusivé já o visualizei numa entrevista na Sic Mulher (vide Facebook). Gozar de borla... falar à toa... enfim... haja paciência... relativamente ao/à outro anónimo... caríssimo, disse e REPITO: gostos não se discutem... Dai a existência deste blog... (além do gosto pela fotografia por parte DO autor...). Como se diz aqui: tás a falar à toa... Mas é a vantagem do anonimato... ou não.

Melhores cumprimentos...

Francisco G. disse...

ps: é moda gostar o "Paciente Inglês"??? presumo que seja a mesma síndrome do "Titanic"... e lágrimas associadas... Eu pensei que estaria trocando verbo com adultos... Mas afinal, os pré-teenagers pululam...

ps: as minhas desculpas ao autor, mas estes "esclarecimentos" são essenciais.

Anónimo disse...

Tens mesmo mau feitio!

Ju disse...

tão bonito!!

Anónimo disse...

O que é que pre-teenagers tem a ver com gostar do paciente ingles? eu era pre-teenager quando vi e não gostei, depois quando cresci mais um pouco vi outra x e mudei de opinião... Quem sabe, estou a perder maturidade com os anos! By the way, gostei muito da foto, é uma componente essencial de um retrato completo às gentes de Lisboa! Abraço Andre B

Anónimo disse...

Esse senhor é um Sikh, e todos os homens sikhs usam o apelido Singh ("Leão"). Da mesma forma, as mulheres são todas Kaur ("Princesa").

mariasa disse...

toda a mulher gosta de descobrir o k está por baixo do turbo_andante

mariasa disse...

toda a mulher gosta de descobrir o k está por baixo do turbo_andante