domingo, 30 de Setembro de 2012

Desconfio que a imagem que têm da semana da moda de Paris

Desconfio que a imagem que têm da semana da moda de Paris é bem diferente desta que aqui vos trago mas, por algum motivo, este casal londrino me pareceu mais interessante que todas essas outras que poderão encontrar por essa world wide web fora

é bem diferente desta que aqui vos trago mas, por algum motivo, este casal londrino me pareceu mais interessante que todas essas outras que poderão encontrar por essa world wide web fora

sexta-feira, 28 de Setembro de 2012

quarta-feira, 26 de Setembro de 2012

Julia

Julia


[esta publicação pode ser vista aqui também]

segunda-feira, 24 de Setembro de 2012

quarta-feira, 19 de Setembro de 2012

Assunção

Assunção

Entre o número absurdo de perguntas que me costumam fazer uma das mais frequentes será, seguramente, o que procuro nas pessoas. E lá lhes digo que não, que não procuro, num tom que os meus interlocutores assumem ser uma manobra retórica para deturpar o conteúdo da minha resposta através da forma como a entrego. (e lá lhes digo que) Há pessoas das quais me dou conta. Pessoas que me captam um primeiro e um segundo olhar. Pessoas que, noutros tempos, talvez me parassem, me detivessem ali dois (ou três) segundos deixando – sem avisar, num acto indelicado – quem quer que fosse ao meu lado a falar sozinho sobre um tema qualquer do qual entretanto me havia esquecido. Ocorre-me mais do que eu gostaria. Mais do que eu próprio me permitiria. Como se, por breves momentos, o meu cérebro tivesse uma vontade independente da minha. Uma vontade empírica para além de qualquer delicadeza ou mais elementar prurido social. Estou ali sentado em frente a alguém e, de repente, o meu cérebro como que me obstrui os ouvidos e eu – por um número de segundos que não consigo nunca quantificar – estou-me a cagar para o que quer que essa pessoa me diga. Eu podia dizer que ignorava ou não escutava. Mas a minha indelicadeza é grande de mais para verbos tão ligeiros. E foi o que aconteceu. Caguei para o mundo quando vi a Assunção. Olhei uma vez, olhei duas. Não devo ter chegado a dizer nada à Isabel e ao Paulo. Porque nestes momentos esqueço-me do mundo inteiro. E tudo isto, já sabemos, porque sou ignorante e tecnicamente inapto para verbalizar, num vocabulário minimamente aceitável, o que quer que sinta perante o que Assunção levava vestido. Afinal de contas, sugerir que tudo ali me encanta, não vos acresce nada de novo. Menos mal... não me pareceu que a Isabel e o Paulo tivessem ficado chateados


[esta publicação pode ser vista aqui também]

domingo, 16 de Setembro de 2012

quarta-feira, 12 de Setembro de 2012

segunda-feira, 10 de Setembro de 2012

quarta-feira, 5 de Setembro de 2012